Passagem fica mais cara para Brasília



Reajuste de 18,39%, para linhas de transporte semiurbano, começou no dia 15/02

Passageiros dos coletivos da Região Metropolitana do DF vão pagar mais caro pelo serviço a partir de amanhã. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) autorizou reajuste de 18,39% sobre a tarifa do transporte semiurbano,entre o Distrito Federal e alguns municípios goianos. Assim, o valor da passagem de R$ 4,45 de Luziânia (GO), por exemplo, passa a ser R$ 5,20. Ou seja, R$ 75 centavos a mais. 
O aumento é fixo e válido para 16 linhas com diferentes trajetos, entre eles os das cidades goianas de Cidade Ocidental, Formosa, Valparaíso e Novo Gama. A decisão atinge, pelo menos, 70 mil pessoas. (veja o quadro). 

“O aumento, com certeza, vai sacrificar o salário do trabalhador. O reajuste, além de não ter sido anunciado, não supera o aumento do salário mínimo, que é o que a maioria dos moradores ganha. Ou seja, daqui a pouco vai valer mais a pena ficar em casa do que sair para trabalhar”, afirma a auxiliar de serviços gerais Marta Souza Aguiar, de 35 anos. Moradora de Cidade Ocidental (GO), ela diz que, hoje, gasta em média R$ 140 com passagens até Brasília. 

“Equilíbrio”

Segundo a ANTT, o reajuste tem como objetivo “manter o equilíbrio econômico-financeiro das permissionárias e autorizatárias do transporte rodoviário semiurbano”. A última atualização na tabela foi feita em 2012, lembrou o órgão. Na época, passageiros revoltaram-se com a situação fizeram protestos marcados pela queima de ônibus e bloqueio de rodovias.

A agência argumenta que o cálculo da tarifa foi feito também com base em outros custos, como o óleo Diesel, que sofreu aumento de 27,43% nos últimos dois anos. “Cada item de custo tem sua variação apurada por índices oficiais específicos divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombus.

Dentro do DF, tarifas não terão aumento

O Governo do Distrito Federal tentou tranquilizar o restante da população e alertou que “não há previsão de aumento dos preços das passagens dos ônibus que circulam dentro do DF”. Quanto à determinação de reajuste dos semiurbanos, destaca, a autorização “é de responsabilidade da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o governo não tem qualquer relação com a decisão”. 

Por outro lado, usuários dos coletivos que trabalham na cidade acreditam que o governo local deveria participar da decisão, já que eles movimentam a economia da cidade. “O GDF tem tudo a ver com isso. Por mais que seja um outro órgão quem autoriza, nós também somos a população de Brasília. Trabalhamos aqui. Movimentamos o comércio, ajudamos Brasília a crescer. Não é justo simplesmente passarem a responsabilidade adiante”, desabafa o também auxiliar de serviços gerais Wilson Ferreira, de 63 anos. Hoje, salienta, a empresa desconta quase R$ 200 de seu salário para pagar o transporte. 

Há ainda quem acredite que o aumento possa interferir na conquista de um emprego. “A empresa não vai querer bancar mais de R$ 10 por dia só em passagem. Para mim, sinceramente, já não compensa ganhar um salário mínimo e ter todo esse desconto”, afirma a atendente Viviane Ávila, de 21 anos, moradora de Novo Gama, na Região Metropolitana do DF.


Fonte: Redação
Google Plus

Por Movimento dos Comunicadores do Brasil

Cidade Ocidental . net